23 outubro 2009

E a sua infância como foi?

Hello every body! (evibari)
Então....ontem fui no niver de uma amiga e rolou uma conversa sobre infância. Mulherada toda saudosa lembrando de quando era pequinininha, que lá na casa da vovó era uma delicia (e eu calada), que a coleção de barbyes era enorme (e eu quieta), até que uma simpática lembrou de mim ali no cantinho e largou: - E voce Dé, conta ai, aprontou muito?
Recordações daquela época: aos tres anos um moleque me acertou uma pedrinha no olho e eu, muito boazinha, retribuí com uma vassourada...será que é por isso que eu até hoje desmaio quando vejo sangue? (ui). Fiquei de castigo um mês.
Minha brincadeira predileta era subir em arvores. Pra escalar? Não cara pálida!  Pra dar susto nos outros! A gente amarrava uma aranha de brinquedo num cordão e jogava em cima de quem passava. Salvo as velinhas, que a gente não era mal educado, oras!
Era cada grito...hehe Lembrei! Foi nessa época que eu começei a aprender palavão!

Um dia eu roubei o carrinho de rolemã do meu tio caçula...eu tinha uns quatro anos e sai disparada ladeira abaixo e quando olhei pra tras tinha uma penca de gente correndo atras de mim, até hoje não sei porque, não era tão íngreme a ladeira e eu já tava grandinha, podia perfeitamente passar de carrinho entre os carrões, ahh aquela sensação de velocidade, vento nos cabelos (cabelos?) enfim, mas sabe que até hoje minha mae me agarra forte no braço quando vou atravessar a rua? Não entendo o que acontece...
E o dia que eu estava dançando na sala da minha vó e resolvi fazer um passo show de balé e pa! tlimtlimtlim (barulho de cristal quebrando), quebrei toda a coleção de cristal da minha vó. Meus tios, estes dias, vieram me cobrar (partilha de bens, saca?) Fiz que não era comigo....


 -E aí Dé, aprontou muito na infância?
- Que nada menina, era tão calminha, minha coleção de bonecas tá inteira até hoje, acredita?


Que foi? Eu preciso manter minha fama de boa moça!

9 comentários:

Dri Viaro disse...

kkk, ah percebi que tu era muuuuito calma mesmo
bjsss bom fds

Silvana Mello disse...

É, eu também não posso contar minhas histórias..ehehehe Também quebrava, estilhaçava, aprontava. Melhor ficar quieta, que nem você. bjs

Joyce Lemounier disse...

Eu era assim mesmo... mas não espalha por favor...rsrs

Wellington Rafael disse...

AHAHAHAHA Ê reputação, hem? Se não fosse por ela...
A infância é bem gostosa (não que eu esteja muito longe, só tenho 16). Lembro que uma vez, eu acabei em um daqueles ataques infantis de rebeldia e má-criação e pulei em cima de uma mesina de centro de vidro e cortei a minha orelha. :P
Coisas de quando a gente era beeem menor, não é? Afinal, crianças seremos sempre!

Débora Quirino disse...

To até agora me perguntando como ele conseguiu cortar a orelha....

Rute disse...

Hiii!!menina deixa pra lá de boazinha não tinha nada!
Beijinhos e um ótimo domingo a vc

Aline disse...

Oie!
Tem um selinho para você lá no Entre Pincéis!
Beijos

Sandra Quirino disse...

Filha, chorei de tanto rir lembrando das suas façanhas.Quanto a voce estar se perguntando como o Wellington Rafael cortou a orelha...é só voce tentar lembrar do dia que ficou pulando do sofá para a mesinha de centro (que tambem era de vidro) e levou o maior tombaço e acabou cortando o queixo!!!!!
Saudades. te amo.

Débora Quirino disse...

Eu não lembro disso não hehehe

O Passado Me Entrega...